28 de abril de 2009

O Leal de maior bravura



Outro filho ilustre esquecido pela grande maioria dos jucaenses é esse moço da foto acima: João da Silva Leal, nascido no sítio Canto, em Jucás, a 10 de setembro de 1879. Para a grande maioria dos leitores essa é uma personalidade desconhecida, mas faço questão de compartilhar a história desse nobre jucaense com todos.

João da Silva Leal era filho de Manoel Pereira da Silva Costa Leal, conhecido por Né do Canto e de Delfina Carlota Pereira da Silva Leal. Sua bisavó, Joana Carlota Gonçalves da Costa Alencar, era sobrinha de Bárbara Pereira de Alencar, mais conhecida apenas como Bárbara de Alencar, heroína da revolução de 1817 no Ceará.

Iniciou seus estudos no Liceu do Ceará no ano de 1897 em Fortaleza, concluindo o curso secundário. Ingressou em 1898 na Escola Militar do Realengo no Rio de Janeiro, saindo Aspirante a Oficial em 1906.

A honradez e bravura de João da Silva Leal, já eram elogiadas desde seus tempos de tenente como destaca Edmar Morel no “A Revolta da Chibata”, livro que narra um episódio de grande repercussão nacional, a rebelião dos marujos da embarcação Satélite:

“...se não fosse a energia e a bravura dos comandantes João da Silva Leal, Francisco de Melo e Libânio da Cunha Matos que por felicidade de todos nós, foram os escolhidos para esta espinhosa missão, com toda certeza estaríamos todos mortos e o Satélite perdido”.

Em 1921 foi reformado no posto de Major por ter optado pelo Magistério Militar, sendo transferido para o Colégio Militar do Ceará. Em 1927 foi eleito Deputado à Assembléia Legislativa do Estado do Ceará.

Desempenhou importante papel na Revolução de 1930, como vemos no seguinte trecho do livro "Estirpe da Granja do Mirante" de Mário Leal, no momento em que o Major adere a revolução compadecido com a prisão do amigo Fernandes Távora por ordem do então governador do Ceará, Dr. Matos Peixoto:

"Revoltado com tamanha arbitrariedade, o então professor do Colégio Militar de Fortaleza, Major João da Silva Leal, toma as dores do amigo e passa a ser um dos mais destacados líderes da revolução, transformando a fazenda Potengy de propriedade de seu pai e situada no antigo município de São Mateus, como ponto estratégico e refúgio seguro dos revolucionários.”

Major João da Silva Leal reuniu destacados militares e civis, organizados em grupos de resistência, partiu da cidade de Souza, na Paraíba, e entrou em Lavras da Mangabeira, no Ceará, em outubro de 1930, fazendo com que o governador do Ceará, Dr. Matos Peixoto, abandonasse o governo no dia 8 do mesmo mês.

Assumiu a Secretaria da Fazenda e foi nomeado interventor pelo próprio Fernandes Távora, que renunciou ao cargo para que o amigo assumisse esse posto. Exerceu as funções de Interventor Federal Interino no período de 22 de junho a 22 de setembro de 1931.

Fundador e Membro do Diretório executivo do PSD – Partido Social Democrático, no Ceará. Pelo PSD foi eleito como Deputado Federal para a Assembléia Constituinte de 1934.

E, por Decreto de 26 de junho de 1951, o Presidente da República promoveu o Major reformado e professor João da Silva Leal ao posto de General de Brigada do Exército Brasileiro. Faleceu no Rio de Janeiro no dia 3 de janeiro de 1963.

Você agora deve estar pensando: “Ah! Então essa é a pessoa que dá nome à Rua Major Leal em Jucás”. Eu também pensei, mas nos enganamos em grupo amigos. A Rua Major Leal, que se estende dos fundos da Igreja de Nossa Senhora do Carmo até o Mercado Público, no centro da cidade, é uma homenagem ao seu tio José da Silva Pereira da Costa Leal, conhecido também por Major Leal. Porém, o general João da Silva Leal, o herói de nossa história, teve uma vida militar e política impressionante, com reconhecimento nacional. Não desejo depreciar a história de vida do Major Leal, mas creio que devamos homenagens também ao general Leal, pela sua bravura. E, particularmente, gostaria de estender o tributo aqui prestado ao general, à toda família Leal que teve forte participação na construção político-cultural do município de Jucás, como o Major Leal e o Cel. Mário Leal, deputado estadual eleito duas vezes.


Fontes: www.sefaz.ce.gov.br e "Estirpe da Granja do Mirante" de Mário Leal

24 comentários:

  1. ANTONIO DUARTE CAVALCANTE5 de mai de 2009 12:03:00

    Caro Djferson,

    Como Jucaense, quero dizer que estou muito orgulhoso de você, garoto.
    Parabens pela elogiável iniciativa, continue neste belo trabalho. Depois de "velho" que estou conhecendo um pouco da história de Jucás, graças a tua iniciativa, bem como do amigo Jânio, que me parece também tem um blog.
    Parabens mais uma vez pra você e também para o Jânio.
    Na verdade eu descobri o teu blog por acaso, entrei no google para acompanhar as enchentes aí no Ceará, particularmente em Jucás.
    Um grande abraço pra você, teus pais e demais familiares.
    Brasilia/DF, 05 de maio de 2009

    Antonio Duarte Cavalcante

    ResponderExcluir
  2. Obrigado sr. Antonio. São pessoas como o sr. que nos dão força para continuar. Todo mês uma nova postagem interessante sobre nosso querido município. Apareça sempre que quiser, sinta-se convidado para reler as postagens antigas e conhecer "novidades" sobre a terrinha. Um forte abraço. Dj.

    ResponderExcluir
  3. Poeta tu ta praticamente um hitoriador.
    hihihihi
    Bjos e sucesso sempre.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom!!
    Como sempre...
    beijos!!

    ResponderExcluir
  5. Olha,eu gostei de ver as foto da minha terra, tem 21 anos que nao vou no nordeste mas no final do ano eu vou ai. Evaldo araujo.

    ResponderExcluir
  6. Obrigado Alina, Diana e Evaldo. A participação de vocês é a sobrevida do blog. Apareçam sempre. E, Evaldo, desejo um bom retorno à Jucás. Um forte abraço a todos.

    ResponderExcluir
  7. OLá, Djferson...

    Parabéns, mais uma vez pelo seu blog. Vc se supera a cada dia. Muito interessante esse revirar histórico. É o que eu me proponho a fazer também com Saboeiro. Além bo blog Saboeiro Existe, em breve estarei reunindo material para escrever, em parceria com um amigo, um livro ilustrado, uma espécie de "Relicárioo Polular", resgatando fotos e fatos das pessoas da comunidade, desde os habitantes mais nobres da antiguidade, até as pessoas mais comuns, da sociedade saboeirense. É um projeto arrojado, mas ousadia é o que não me falta (rsss). Adorei ler sobre esse Leal aí. Aqui em Saboeiro também existe uma lacuna muito grande na memória de todos... vou ter um árduo trabalho pra trazer a tona os fatos que tão indo embora junto com a geração mais velha.
    Admiro e respeito muito teu trabalho. Um abraço, irmão!!!

    Aécia Leal
    (http://saboeiroexiste.blogspot.com/)

    ResponderExcluir
  8. Se nos seus registros vc tiver alguma informação de pessoas de Jucás que também tenham feito parte da história de Saboeiro, de alguma forma, eu agradeceria se me informasse, para que eu pudesse fazer uma pesquisa. E va aí uma dica: Que tal dar uma boa cobertura das festividades da padroeira, em Jucás antecipando a programação? Eu quase nunca perco, pois acho a festa espetacular...

    ResponderExcluir
  9. Gostei muito de ler o tópico "O bicho do Rio" também. Almir Mota tá entre os homenageados num tópico de filhos ilustres da Terra do Galo. Gostei da crítica construtiva que vc fez... As vezes vem mesmo alguém lá de fora e nos mostra o que podíamos ter feito... Que isso sirva de incentivo para os jucaenses explorarem mais sua história e sua cultura.

    ResponderExcluir
  10. Obrigado Aécia, mais uma vez pelos elogios. Quanto as informações sobre Saboeiro, assim que tiver algo relevante lhe informarei, já quanto a cobertura da festa, com certeza farei o possível. Bom no blog já tem algumas postagens que falam de Saboeiro, além do Almir Mota, os links "Nossos prefeitos" e "Colocando cada um em seu lugar." falam um pouco sobre sua terrinha. Bem, quero parabenizar pelo projeto do livro, incentivar e apoiar da maneira que for possível, ficando sempre ao seu dispor. Quem sabe um dia posso ousar o mesmo pra Jucás?! Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  11. Lembrando que João da Silva Leal cede seu nome para a Rua João da Silva Leal,localizada no Coco Verde em Jucás onde fica a escola Centro Educacional Professora Antonieta Cals - CEPAC antiga Escola Crebilon Lima Verde, outro conterrâneo ilustre.

    ResponderExcluir
  12. Obrigado pelo complemento Jean e pela participação é assim que contruímos o blog juntos. Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  13. Pesquisando sobre a família do meu marido e de seus antecedentes familiares encontrei neste blog a história do avô de meu marido o General Leal, inclusive meu marido recebeu o nome de João Carlos da Silva Leal em homenagem a seu avô, pois nasceu no ano da morte do General. Foi interessante ver neste blog histórias, que tive o prazer de ouvir ditas pelo meu falecido sogro, que era filho do General Leal. Abraços a todos. Marielisa.

    ResponderExcluir
  14. Muito bom poder propiciá-la esse momento. O Blog de Jucás agradece sua visita e comentário. Se seu marido ou você tiver alguma informação para acrescentar entre em contato com o Blog. Nós agradecemos desde já! Um forte abraço para você Marielisa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Djferson, esperamos ainda um dia viajar e conhecer os familiares que ainda moram em Jucás ou Crato, localidades que meu falecido sogro falava em seus relatos ... Abs, Marielisa.

      Excluir
  15. Caro Djferson,dê uma olhadinha no blog:saopaulinhoacopiara.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Né do Canto foi dono das terras onde hoje é o distrito de São Paulinho/Acopiara/Ce.Era bisavô de Roseli Leal que mora no Iguatu.

    ResponderExcluir
  17. Sou João Leal Junior, natural de Santana do Cariri mas, embora ainda tendo casa lá, moro oficialmente em Fortaleza desde que me formei em engenharia no ano de 1985. Filho de João da Silva Leal e neto de Manoel da Silva Leal.Já sabia que minha família é oriunda daí de uma localidade chamada Canastra.Meu pai guardava num baú na fazenda Pau Ferrado um uniforme,um punhal e uma espada que me disse ser de um nosso antepassado que tinha ido para a guerra e que tinha sido condecorado por bravura, mas não soube me dizer o nome.
    Será que se trata deste Coronel?
    Conheci pessoalmente o Sr. Mário Leal quando em 1987 implantava a estrada Tauá/Arneiroz a qual passa por terras da fazenda mucuim que na época lhe pertencia.O seu Mário, como todos lhe chamavam, me tratava como primo, esteve em minha residencia em Fortaleza e juntos fomos ao Palácio do governo falar com o governador Virgílio Távora para ele autorizar a execução da cerca da faixa de domínio da estrada, que foi prontamente atendido.Lembro-me que na saída do Palácio ele comentou "Eu pensava que nunca mais eu ia ter que falar com este elemento" referindo-se ao governador.
    Se alguém puder me ajudar a descobrir a quem pertenciam as paramentas a que me referi,envie email para: j.lealjr@hotmail.com
    Fortaleza,06/09/2011.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você ler a página 91 do livro Estirpe da Granja do Mirante. Você saberá a quem pertencia as parametas que você citou. Eu também faço parte dessa família Leal.

      Excluir
  18. Caro João Leal Junior, respondendo a sua pergunta, quero lhe informar que também faço parte da família leal, meu nome é Dr. José Leontino Bandeira Leal, filho de Antonio Leal Bandeira, nascido no sitio direitos(antigo município de jucás, e atual município de Cariús) que é o berço da família leal, onde existe a igreja de nossa senhora do remédio, a qual acabei de reformar e que na referida igreja foram enterrados nossos antepassados, quanto a sua pergunta posso lhe informar que com certeza este uniforme, punhal e espada, fizeram parte da revolução de 1933 da qual o senhor Né do canto, meu bisavô era o comandante.

    ResponderExcluir
  19. O interessante disso tudo é que meu avô se chamava JOÃO DE SILVA LEAL, NATURAL DE PERNAMBUCO, CIDADE DE PETROLÂNDIA,MEU IRMÃO JOÃO DA SILVA LEAL NETO,TENHO UM TIO QUE HERDOU O MESMO NOME E QUE AINDA RESIDE EM PETROLÂNDIA,E QUE EXISTE ATÉ NOME DE RUA, NOME ESSE EM HOMENÁGEM AO MEU AVÔ QUE É RESPEITADO POR TODOS MESMO APÓS SEU FALECIMENTO.
    Sou neto de João da Silva Leal, nome- Julio Rompato Leal

    ResponderExcluir
  20. Sou Mário Leal Sobrinho e respondendo a sua pergunta posso afirmar que você também é descendente do português JOÃO DA SILVA PEREIRA que fugindo de Portugal para o Brasil aforou a Serra do Quincuncá, onde nascem rios e riachos importantes que descambam tanto para o Ceará como pra Pernambuco. Se você quiser mais informações sobre a nossa família cesse no GOOGLE o site GENEALOGIA PERNAMBUCANA, FAMÍLIA ALENCAR, que também descende desse português e o amigo com certeza encontrará as respostas que procura.

    ResponderExcluir
  21. Olá sou Neta de Frederico Moraes Leal que foi casado com Amélia Luiz Leal, que depois de dar á luz faleceu decorrente a anestesia Áraque(em fase de teste) que á deixou paralítica e em pouco tempo á levou a morte,quando meu pai estava com 7 anos de idade creio que foi no ano 1935, mais ou menos,deixando 4 filhos Djalba Jorge Leal,Dejalmim Luiz Leal, Djalmira e Djanira que veio a falecer com 9 anos, meu avô perdeu contato totalmente da família de minha avó,tenho poucas informações, pois quando eu tinha 7 anos em 1973, meu pai faleceu de acidente de moto aos 31 anos,meu avô faleceu em 1993, sei que a familia morou em Minas Gerais, e em várias cidades do Estado de São Paulo, como Riolãndia, Indiaporâ, Fernandápolis etc. estou com 47 anos e gostaria de encontrar (as raízes) familiares da minha avó Amélia Luiz Leal. obrigada

    ResponderExcluir